sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A Religião e o Casamento Moderno - por Fredh Hoss Celebrante

Por Fredh Hoss   Postado As  10/09/2015 05:43:00 PM   Efeito Civil Sem Comentários


Entrevistado Fredh Hoss
O Profissional Celebrante de Casamento
“Vivemos em uma sociedade que adora modernizar-se”. Seria esta necessidade coletiva uma total verdade nos dias tecnológicos que vivemos? Para a maioria dos assuntos, você pode continuar confiante em sua sensação positiva que sim, adoramos o que é moderno, atualizado, temos ansiedade pela inovação. Até nos tornamos fãs dos personagens que representam heroísmo e pioneirismo. De Dom Pedro I ao Homem de Ferro todos nos conquistam, nos inspiram e justificam nossas aspirações futuras de vitória e sucesso.
Desde sempre formávamos uma sociedade educada pelo criacionismo divino e submetida ao ordenamento cristão católico. Foi um tempo que tudo poderia ser moderno, menos a maneira de se adorar a Deus. E historicamente somente era admissível alcançar o êxito de bênçãos ao submeter-se ao ordenamento que outrora foi imposto ao povo que nascia Católico Apostólico Romano e não podia sequer questionar isso.
Nossa sociedade Brasileira se modernizou até mesmo sobre essa prática. Hoje o país é laico, o que significa que não existe obrigatoriedade Religiosa. A crença na liberdade de se praticar qualquer rito ou religião, com proteção legal, faz da pátria Brasileira que organicamente já é miscigenada, definitivamente também uma pátria plurirreligiosa.
Lentamente a sociedade assume aceitar as diferenças e a ordenação legal. Aceitar o outro reforça o respeito exigível para que se viva em paz e segurança. É quando nossos filhos se encantam pelos filhos daqueles que não são de nossa mesma crença e fé religiosa, que o assunto retoma importância. Como casaremos nossos filhos, fora da tradição da Igreja?
Nem mesmo é necessário julgarmos as religiões para que, o fundamento da fé na irmandade de todos sermos filhos de Deus nos dê um novo norte para essa questão. Deus, sendo “um só” Criador e Pai, aceitaria que seus filhos vivessem em discórdia? Deixaria faltar a paz? Fundaria uma Igreja sectarista, dicotômica e julgadora do próximo por livre arbítrio individual ou eclesiástico? Façamos apenas as perguntas, pois como resposta que tal aceitarmos cada um sendo respeitavelmente único e livre para sua fé e religiosidade ser praticada?
Mas agora nossos filhos querem se casar e nossas Igrejas não os aceitam. Deus deixará de abençoá-los? Não receberão uma bênção da Igreja e vão pro inferno? A vida dessa família está condenada por falta da religião ordenar o casamento deles? São tantas as perguntas religiosas nesse momento aflitivo. A única resposta que pode atender a todos que participam de alguma crença cristã, está no livro de Gênesis capítulo 2. Leia na Bíblia sobre o Celebrante do Primeiro Casamento e responda: Qual a religião ali representada, como a religião do casamento?
De onde surgiu a ideia de montar o “negócio de celebrante de casamento”?
Essas questões religiosas afligiram tanto meu amigo que o fizeram enxergar em mim uma solução. Se você é Mestre de Cerimônia, Redator, Escritor, Diretor e Ator e ainda descubro que teve formação religiosa, como é teólogo porque não quer celebrar meu casamento? Critiquei as religiões, e também a prática à época, meados de 1999, de auto-intitulados mestres de cerimônia de casamento se oferecerem como alternativa. Como pode alguém pensar que ler algum poema ou letra de música, declamar acróstico ou poemas infantes, sobre areias e jardins, acreditar que faz algo próximo de celebrar casamento?
Meu amigo naquele momento me ensinou uma grande lição, me dizendo apenas o seguinte: - “Você sabe exatamente o que, não dizer na cerimônia do meu casamento, para que tenhamos uma celebração maravilhosa e vai se recusar a escrever meu discurso e ser meu celebrante?”.
 Como funciona o processo da contratação até o grande dia? Com quanto tempo o casal fica com vocês, e o que antecede o casamento?
Foi naquele momento respondendo pela última vez ao meu amigo, se celebraria ou não o casamento dele que ficou claro o dever de agir. Tínhamos 10 meses de antecedência da data marcada e valeu a pena. Até hoje são mais de 500 celebrações e quando os noivos me procuram com prazo menor que 18 meses de antecedência têm dificuldade de atender. Tenho cerca de 5 consultas para cada sábado do ano e atendo em qualquer destino de casamento. Faço o efeito civil legalmente podendo atuar em qualquer localidade em todo Brasil. Durante todo o período que antecede o casamento os noivos podem nos consultar sobre dúvidas e participam por correio eletrônico da escrita do discurso da cerimônia, escolha da sonoplastia e ritualismos. Não limito o número de encontros e reuniões e faço atendimento à distância por Skype, WathsApp, telefone ou qualquer meio para dar a eles certeza de segurança, confiança e paz. Em geral me procuram no momento do fechamento e com mais uma reunião presencial o projeto fica definido e ensaiado por nós três, os noivos e eu.
 Por qual motivo os casais escolhem o serviço de vocês, normalmente?
Meu atendimento, escrita do discurso, composições poéticas que faço para os votos dos noivos, a formalidade de ser uma empresa prestadora de serviços legalmente constituída, ter uma apresentação poderosa, um discurso pessoal forte, uma central de informações de fácil acesso e prática para dar a conhecer tudo sobre nosso trabalho, todos esses detalhes são apenas acessórios ao que é mais importante. Temos centenas de relatos publicados por nossos ex-clientes e atuais amigos sobre a excelência que conseguimos alcançar e entregar.
 Quantos casamentos vocês celebram, em média, por mês? Quantos já foram até hoje?
Hoje, celebrando menos que a metade que já atendemos por final de semana, celebro em média seis casamentos por mês. Acreditamos na mágica do “dia do cliente”. Mais que uma celebração por data exigirá um preparo e dedicação sobre-humano, pois cada discurso é diferente do outro e nada é lido na hora de enunciar a mensagem que está contida na história dos noivos. A força do discurso está na mensagem que deve sempre ser uma inspiração aos convidados. Depois que somamos 500 celebrações preferi parar de contar.
 Vocês conseguem e costumam fazer mais de uma celebração em um único dia?
É possível celebrar mais de um casamento por data. Apenas tomo o cuidado que haja distanciamento de horário suficiente para que minha assistente de cerimônia e eu façamos um ensaio do discurso seguinte. É uma atenção importante recobrar toda lembrança emocional, que os noivos possuem e assim sem a muleta da leitura do texto poder reproduzir as mesmas emoções a todos.
 Como funciona a preparação da cerimônia?
Me dedico e tenho interesse por todos os detalhes que fazem parte da cerimônia. Iluminação, decoração, cenografia, sonorização, localização e disposição de móveis, utensílios e objetos. Cada lugar a ser ocupado pelos convidados merece atenção pois são essas as pessoas convidados dos noivos que receberão o discurso. Essa é a partilha das bênçãos dos noivos.
 Qual é o público de vocês, financeiramente falando?
Os valores cobrados no mercado de casamentos são diversos. Sempre precifiquei com lógica e coerência. Na tabela da Associação dos Registradores, um Juiz de Casamento, conhecido Juiz de Paz, recebe em diligência o valor de um a dois salários mínimos dependendo da região e cartório. Sua obrigação legal é apenas de perguntar se é de livre e espontânea vontade que os nubentes querem se casar. A leitura da ata pela escrevente do cartório é apenas praxe para correção ortográfica se necessário. Quando fiz os primeiros casamentos nada foi cobrado e hoje recebo oferta de noivos que por desejarem garantir que seja eu o celebrante deles, dobram o valor do meu cachê. Já recebi dez vezes o valor da tabela de um Juiz de Cartório
 Qual valor vocês cobram dos noivos?
É muito gratificante ser monetizado pelos resultados alcançados e para um entendimento claro do que pretendemos assumirmos um valor histórico médio. Estamos falando de datas concorridas e do horário nobre que é sábado à noite. Negociamos descontos para datas diferentes conforme nossa demanda de pedidos nos direciona.
 Como vocês enxergam a industrialização do casamento?
A profissionalização é um bem maior de viver. Somos aqueles que nascem sem nada saber e não podemos parar a evolução do aprendizado e aperfeiçoamento. Nossa empresa HV7 Cerimonial e Treinamentos se tornou uma empresa modelo em 2011 e oferecemos ao mercado treinamentos, profissionalização, atendimento Coach. Hoje a empresa é também uma escola de negócio do conhecimento do casamento. Formamos regularmente novos celebrantes profissionais de casamento, a próxima data de turma do Curso de Formação de Celebrantes de Casamento já está marcada para dias 16 - 17 de janeiro de 2016.
ACESSE AGORA www.negociodocasamento.hv7.com.br/
 E a industrialização e modismo do casamento religioso? Exemplo: casar na Nossa Senhora do Brasil por uma questão estética e não simbólica.
Ao longo da vida e carreira constatei que nosso desejo fundamental é agradar nossos pares. Nossa família não se resume a parentesco, consanguinidade ou afinidades. Possuímos desejo intrínseco de fazer parte de uma sociedade e esta engloba Igrejas, associações, clubes e em todos estes ambientes atendemos o chamado da industrialização e modismo.
 Quais são as perspectivas de futuro de vocês?
A chamada indústria do casamento hoje está medida em mais de 16 bilhões de reais em faturamento anual. Em 2009 quando ainda não se dava a atenção que recebemos hoje, diziam que era apenas de 4 bilhões. Quanto mais percebemos o casamento como uma instituição profissionalizada, organizada e influenciadora, verificamos maior sua influência, abrangência e faturamento. A cada ponto de crescimento do PIB o mercado do casamento cresce no mínimo 0,2% a mais. Lógica fundamentada também no crescimento populacional. É uma das poucas áreas de trabalho que somente cresce. Também como em qualquer área temos muito amadorismo e assim muitos empresários malsucedidos. Mas tudo que envolve casamento prospera e isso é bênção.
 Qual é o diferencial e o motivo pelo qual vocês recomendam esse trabalho?
Antes de ser uma demanda de trabalho é uma demanda humana. Saber atender os noivos em qualquer profissão requerida na produção de um casamento é trabalhar com oportunidade de crescimento. Temos um treinamento gratuito e on-line, disponível em nosso site para o mercado de casamento, que ajuda primeiro a pessoa entender se deseja mesmo trabalhar para a “indústria milionária” do casamento.
Celebrante Fredh Hoss, casamento com efeito civil e discurso significativo.
A Religião do Casamento Moderno.
Acesse o site da empresa no endereço www.hv7cerimonial.com.br

0 comentários:

Comente essa ínformação.

Voltar ao topo ↑
© 1999 HV7 Cerimonial E Treinamento Todos os direitos reservados - Desenvolvido Por - Fredh Hoss
- Política de Privacidade - Termos de Uso - FAQ -
Utilizamos cookies para melhorar o nosso site ao continuar navegando concorda com sua utilização. Clique - AQUI - para ver o que procura.